Alimentos que podem ser tóxicos

alimentos toxicos

Apesar de serem tradicionais em nossas mesas, alguns alimentos são conhecidos por conterem grande quantidade de toxinas que podem causar doenças e, em casos mais extremos, levar à morte. Veja quais são os possíveis inimigos:

Pimenta

A pimenta é um alimento interessante, pois, na teoria, ela pode até matar, mas somente se o consumo for exagerado. Felizmente, as pessoas não comem pimenta como comem um prato de comida, o que evita muitos casos de intoxicação. A substância presente no alimento, que possibilita o processo, é conhecida como capsaicina e é a responsável por dar o sabor picante ao alimento.

Batatas

As batatas possuem uma toxina chamada glicoalcalóide, mas o consumo é mais perigoso por causa do caule e da folha da batata. Em algumas culturas, as pessoas fazem chá da folha da batata e, nesses casos, podemos achar situações que a pessoa fique fraca, entre em coma ou até morra.

Cereja

Ela pode liberar ácido cianídrico, que pode gerar dor de cabeça, confusão mental e vômitos. Mas isso só acontece quando é consumida em altíssimas doses, algo muito raro de ser feito. Outra fonte da toxina está no caule da fruta, mas as pessoas não costumam comê-los, muito menos em excesso.

Tomate

A fruta em si não contém veneno, mas o caule e as folhas possuem uma substância conhecida como glicoalcalóide que, em níveis elevados, podem gerar problemas estomacais e nervosismo. A folha e o caule podem ser usados para dar sabor, mas devem ser tiradas antes de comer.

Cogumelos

Os cogumelos são alimentos bem perigosos. Isso se deve ao simples fatos de possuírem milhares de espécies com características diferentes. Além das comestíveis, existem também as espécies venenosas e que podem ser facilmente confundidas com aquelas que tanto apreciamos.

Uma das mais mortais toxinas de cogumelos é a alpha-amanitina, que causa danos ao fígado extremas. Porém, se você encontrar um cogumelo crescendo na sombra de uma árvore, não tente consumi-lo, pois ele pode ser mortal.

Esta entrada foi publicada em Saúde. Adicione o link permanente aos seus favoritos.